sábado, janeiro 31, 2009

Na despedida fomos a esse maravilhoso
espetáculo no Casino de Estoril


Visions: O Espírito dos Sonhos

Para o seu autor, o norte-americano Michael MacPherson, “a concepção do espectáculo nasceu de experiências pessoais, nomeadamente, de todas as emoções antagónicas que já senti através dos meus próprios sonhos”. Idealizado, em exclusivo, para o Salão Preto e Prata, este novo espectáculo reúne, em palco, um conceituado elenco de performers, secundados por uma banda que interpreta, ao vivo, 20 peças originais inspiradas na música pop.

Assente num conceito inovador, “Visions: O Espírito dos Sonhos” percorre o universo imaginário dos sonhos, convidando o espectador a identificar as suas memórias, emoções e desejos que, por vezes, se confundem com a realidade objectiva.

Como figura central de “Visions: O Espírito dos Sonhos”, Paul Ponce, ex-performer do Cirque du Soleil, protagoniza o papel do sonhador, atravessando todo o espaço de representação e guiando o público pelos cinco momentos de sonho que o espectáculo propõe: o movimento, o tempo, a luxúria, o pesadelo e a celebração.

Esta viagem temática pelo universo dos sonhos, distingue-se ainda pela originalidade do guarda-roupa, assim como por um arrojado sistema multimédia, apoiado numa iluminação vanguardista. “As cenas serão apresentadas num modelo vivo e dinâmico, proporcionando uma apelativa sucessão de cores no espaço cénico”, sublinha Michael MacPherson.

Numa sequência de exercicios de malabarismo, o Movimento apoia-se em variáveis rítmicas, sustentadas por uma incontrolável adrenalina. É o ponto de partida para uma inesgotável liberdade de imaginação que invade o sonhador. Numa combinação de imagens que estimulam os sentidos, sobressaem os movimentos coreográficos elaborados dos bailarinos.

Em busca do momento perfeito, o Tempo pode levar o espectador a ambicionar uma vida nova, iniciando uma ruptura com o presente. “Traz a nostalgia das boas recordações ou a ansiedade em alcançar dias melhores”, diz Michael McPherson. Uma ampulheta marca o tempo que, por sua vez, define a entrada no mundo surrealista e ilusório dos sonhos.

Noutro audacioso momento cénico, a Luxúria desdobra-se em registos de pura sensualidade. É o sonho a estimular o desejo de romper com o espírito conservador. Na antecipação do proibido, predomina a ostentação e a sumptuosidade. “O espectador pode desenhar no seu imaginário uma mulher bonita que gostaria de conhecer ou uma casa fantástica onde sempre quis viver”, explica Michael McPherson.

Já no Pesadelo o público é desafiado a descodificar uma labiríntica sucessão de imagens, inscritas por figuras desconexas. “São memórias indesejáveis de um passado longínquo ou, ainda, o medo, o receio e a insegurança sobre o que nos reserva o futuro”, explica Michael McPherson.

O espectáculo culmina com a Celebração, que enaltece sentimentos como a alegria e a felicidade. “É uma grande festa que simboliza todas as emoções implícitas num sonho”, afirma o autor. Em verdadeira apoteose, é toda uma paleta policroma, representando um sonho único. Alcança-se, assim, o equilíbrio perfeito.

Toda a ambiência que percorre o espectáculo é sublinhada pela actuação dos músicos em palco. É um quinteto constituído por Anthony Wheeldon, na guitarra, Hector Herrera, na bateria, Ivan Pedreira, no baixo, Fausto Ferreira, ao piano, e Ana Freitas, no violino. Laura Sinclair, por seu lado, interpreta vários temas com influências da música pop .

Com um elenco de excepção, “Visions: O Espírito dos Sonhos” é um espectáculo global, protagonizado por bailarinos, trapezistas, malabaristas, acrobatas, equilibristas e contorcionistas de dimensão internacional. “É uma equipa com muito talento, que inclui alguns dos melhores performers do mundo em diferentes disciplinas”, acentua o autor.

“A audiência revê-se nos diferentes quadros de ”Visions: O Espírito dos Sonhos, fazendo uma interpretação muito pessoal” diz, ainda, Michael MacPherson. “Cada noite será diferente da anterior. A ideia é surpreender constantemente os espectadores, inclusive, os que renovem a sua visita ao Salão Preto & Prata”.

2 comentários:

Nazinha "Scrap" disse...

Esse "CASINO" é maravilhoso. Aí que saudades da Terrinha.

Helô disse...

Ficar com o computa pifando é muito ruim. Só agora está dando para acessar os blogs.
Nossa Alê, que explicação maravilhosa sobre um espetáculo que deve ter sido deslumbrante!!!
A criatividade humana é ilimitada mesmo!!!
Muito legal. Gostaria de ter visto.
Bjsssss